Sexta, 25 de Abril de 2014 Mundo Lusiada no Facebook Mundo Lusiada no Twitter Mundo Lusiada no Orkut Mundo Lusiada no YouTube

Os melhores poetas portugueses contemporâneos

Por | 9 setembro, 2011 as 10:05 am | Um comentário

                                                           I

Lançada em 2004, com o apoio do Instituto Camões, do Instituto Português do Livro e das Bibliotecas e do Ministério da Cultura, Poesia Portuguesa Contemporânea reúne produções de 26 poetas portugueses que se destacaram ao longo do século XX. Organizado pelo professor Vadim Kopyl, diretor do Centro Lusófono Camões da Universidade Estatal Pedagógica Hertzen, de São Petersburgo, o livro traz esclarecedor prefácio de Fernando Pinto do Amaral (1960), além de alguns poemas de sua própria autoria. Os poemas foram vertidos para o russo por tradutores do Centro Lusófono Camões com participação de Helena Golubeva (como tradutora-tutora).
Não se pode dizer que esses 26 poetas são os mais representativos da poesia portuguesa de hoje, até porque esse tipo de avaliação varia bastante e é susceptível de alteração, dependendo do gosto pessoal do avaliador, mas, seja como for, é inegável que todos são reconhecidos pelos críticos mais acreditados e ocupam lugar cativo nos cânones universitários de estudos de Literatura Portuguesa em Portugal e no Brasil. Muitos deles ainda estão em franca atividade, com suas obras em progresso, sob a influência dos acontecimentos deste século XXI.

Entre aqueles que ainda estavam vivos quando esta antologia foi organizada destacam-se Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004) e Eugénio de Andrade (1923-2005), que estrearam na década de 1940 e praticaram uma poesia marcada pela independência em relação aos grupos que dominaram a cena literária até os anos de 1970, ou seja, o neo-realismo, o surrealismo, o experimentalismo e outros movimentos derivados do Modernismo.

Como Fernando Pinto do Amaral observa, os nomes fundamentais da poesia portuguesa contemporânea são alguns sobreviventes da década de 1950: Pedro Tamen (1934), Fernando Guimarães (1928) e Fernando Echevarria (1929), que têm entre si a preocupação comum de exercitar uma poesia de apelo metafórico em meio a versos neo-barrocos.

Se em António M. Couto Viana (1923) o que se destaca é uma consciência trágica da existência, como diz o prefaciador, em Egito Gonçalves (1920-2001) o que se sobressai é um lirismo erótico, ao mesmo tempo em que esse lirismo passa para o campo homo-erótico em Eugénio de Andrade.

A critério deste articulista, porém, nenhum desses nomes, ainda que tenham lá todos os méritos, alcança a dimensão de Alexandre O´Neil (1924-1986), com seus poemas corrosivos e que se afastam de um certo ranço de boa parte de seus pares. Veja-se, por exemplo, estes versos de “O quarto”:

                        Aqui dormi.
                        Aqui sonhei.
                        Aqui me masturbei.

                        De parede,
                        o mesmo azul do mapa
                        me convida.

                        Mas não fui de “longada”
                        De lombada em lombada,
                        Quanta estante corrida!

                                                           II

Quem também subverteu a tradicional grandiloqüência   da poesia lusa foi Manuel Alegre (1936), que se destacou na luta estudantil contra o regime forte de António de Oliveira Salazar (1889-1970) e ainda hoje é voz que se levanta na Assembleia da República contras as iniqüidades cometidas pelos governantes, o homem “do contra”       , que se pode sentir em seu poema “Carta a Sophia, ou O quinto poema do português errante”:

                        Querida Sophia: como os índios do seu poema
                        também eu procurei o país sem mal.
                        Em dez anos de exílio o imaginei
                        como os índios utópicos também eu queria
                        um outro Portugal em Portugal.
                        Mas quando regressei eu não o vi
                        como eles me perdi e nunca achei
                        o país sem mal.

                        Talvez a própria vida seja isto
                        passar montanha e mar sem se dar conta
                        de que o único sentido é procurar.
                        Como os índios do seu poema eu não desisto
                        sou um português errante a caminhar
                        em busca do país que não se encontra.

Diz Fernando Pinto do Amaral que, a partir da década de 1970, gestou-se na poesia portuguesa a busca de uma lírica mais próxima do cotidiano, na tentativa de aproximar-se mais do leitor. Dessa geração, o nome mais consagrado talvez seja o de Nuno Júdice (1949), o mais traduzido dos poetas portugueses de hoje. Cultor do verso livre, seu estilo aproxima-se em demasia do brasileiro João Cabral de Melo Neto (1920-1999). Quem duvida que leia o poema “Sinfonia para uma noite e alguns cães” e depois o compare com aquele em que João Cabral de Melo Neto fala do esforço dos galos para tecerem a manhã:

                        De noite, um cão começa a ladrar; e,
                        atrás dele, todos os cães da noite
                        se põem a ladrar. Depois, o primeiro
                        cão cala-se. Pouco a pouco, os outros
                        também se calam, até que o silêncio
                        se instala, como antes de o primeiro
                        cão ter ladrado. De noite, não
                        é possível saber por que é que um cão ladra,
                        se o não estamos a ver. Talvez porque
                        alguém tenha passado por trás de um
                        muro; talvez por causa de um gato (essas
                        sombras que se esgueiram pelas portas).
                        Não é preciso encontrar razões concretas
                        para justificar a noite de todos os
                        cães: mas é verdade que um cão, quando
                        ladra, e acorda os outros cães, acorda
                        a própria noite, os seus fantasmas, o que
                        não se pode ver, isto é, o centro da
                        noite, o negro motor do mundo.

                                                           III

Entre as vozes femininas mais importantes da poesia portuguesa dos últimos anos, está o de Rosa Alice Branco (1950), que se iguala ao de Ana Maria Hatherly (1929), ambas contempladas nesta antologia ao lado de Luísa Neto Jorge (1939-1989), Fiama Hasse País Brandão (1938) e Sophia de Mello Bryner Andresen, todas de gerações anteriores e poetas das mais finas. Como exemplo do vigor de sua poesia, veja-se este trecho de “Atrás dos dias”, um hino ao amor materno:

                        (…) Fazes os deveres, ensino
                        os números a obedecerem-te e a amares
                        as letras umas ao lado das outras, solidárias
                        como uma pequena vírgula para que o silêncio
                        receba a tua voz. Voo junto às tuas asas,
                        lubrifico-as e fico a ver como se suavizam
                        os traços do teu rosto. Agora vais partir.
                        Irei um pouco atrás com a cor da tarde
                        para não ser vista. Por mais que vás
                        estarei de mansinho atrás das asas. Ser mãe
                        é ir assim. É assim que vou à fonte.

Como Fernando Pinto do Amaral reconhece em seu prefácio, muitos nomes representativos da poesia lusa podem ter ficado de fora, mas este é um risco implícito de toda antologia. Seja como for, este livro constitui um panorama lúcido da vitalidade atual da literatura portuguesa, que o leitor russo tem oportunidade de conhecer pela versão dos tradutores do Centro Lusófono Camões.

_________________________

POESIA PORTUGUESA CONTEMPORÂNEA, edição russo-portuguesa aos cuidados de Vadim Kopyl, com prefácio de Fernando Pinto do Amaral. São Petersburgo: Centro Lusófono Camões da Universidade Estatal Pedagógica Hertzen, 316 págs, 2004. E-mail: vkopyl2002@mail.ru

___________________________

Adelto Gonçalves
Doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002) e Bocage – o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003). E-mail: marilizadelto@uol.com.br





 

Uma resposta para “Os melhores poetas portugueses contemporâneos”

  1. No seio das conchas
    dormindo pérolas nuas,
    que sonham colares.

Deixe uma resposta

 

 
© 2011 Jornal Mundo Lusíada - RVR PROMOÇÕES E PUBLICIDADE LTDA. Todos os direitos reservados.
Assine - Fale Conosco - Publicidade